Skip links

O que é um token de segurança? Legislação em Espanha

$1.87

7.87%

Um token de segurança é uma representação digital de um título ou direito, codificado num contrato inteligente e emitido através de uma rede blockchain. Este contrato inteligente contém as regras, direitos e obrigações associados ao token, bem como a lógica para efetuar transacções, pagamentos de dividendos, votações ou qualquer outra função especificada pelo emissor.

De um ponto de vista técnico, os tokens de segurança baseiam-se em normas de tokenização que permitem a representação digital de activos financeiros tradicionais, como acções, obrigações, partes de fundos de investimento ou mesmo bens imobiliários. Estas normas, como a ERC-20 ou a ERC-721 na cadeia de blocos Ethereum, definem um conjunto comum de regras que os tokens devem seguir, o que facilita a sua interoperabilidade e integração com diferentes plataformas e carteiras digitais.

A emissão de tokens de segurança é feita através de plataformas de tokenização, que utilizam a tecnologia blockchain para criar, emitir e gerir estes activos digitais. A cadeia de blocos fornece um registo descentralizado e inviolável de todas as transacções, garantindo a autenticidade, transparência e rastreabilidade dos tokens desde a emissão até à transferência ou resgate.

Cada token de segurança está ligado a um ativo, projeto ou empresa subjacente, o que significa que o valor do token deriva diretamente desse ativo ou dos fluxos de receitas que gera. A tecnologia de contratos inteligentes automatiza muitos dos processos envolvidos na gestão destes tokens, como a distribuição de benefícios, o cumprimento das condições de investimento e a execução dos direitos dos detentores de tokens, como o voto ou a recompra.

Em suma, os tokens de segurança são instrumentos financeiros digitais que se baseiam na tecnologia blockchain e em contratos inteligentes para representar títulos ou direitos a activos subjacentes, proporcionando um meio eficiente, seguro e transparente para a emissão, gestão e transferência de activos financeiros no mundo digital.

Diferença entre Token de Utilidade e Token de Segurança

Os tokens de utilidade e os tokens de segurança representam duas categorias de tokens criptográficos que diferem não só nas suas aplicações e utilizações no âmbito de projectos e plataformas digitais, mas também na forma como são encarados e regulados pelas autoridades financeiras em todo o mundo. De seguida, tentaremos explicar claramente as suas diferenças.

Token de utilidade

  1. Objetivo e função: Os tokens de utilidade são concebidos para dar acesso a um produto ou serviço num ecossistema de cadeia de blocos. Funcionam como um meio para os utilizadores interagirem com a plataforma, seja para utilizar serviços, aceder a funcionalidades especiais ou pagar transacções. Não representam um investimento na empresa ou no projeto e não representam direitos aos seus lucros.
  2. Regulamentação: Estão geralmente menos sujeitos à regulamentação financeira e de valores mobiliários, uma vez que não são considerados investimentos no sentido tradicional. Isto pode variar consoante a jurisdição e a interpretação da legislação local.
  3. Exemplos de utilização: Pagamento de serviços no âmbito de uma plataforma (como taxas de transação ou acesso a um serviço de armazenamento em nuvem), participação em redes de cadeias de blocos (como apostas para garantir a segurança da rede ou votação em decisões de governação).
  4. Tecnologia: São emitidos em cadeias de blocos utilizando contratos inteligentes, semelhantes aos tokens de segurança. Os padrões de tokenização, como o ERC-20 no Ethereum, são comuns para garantir a compatibilidade e a facilidade de troca.

Token de segurança

  1. Objetivo e função: Representam um investimento em activos reais, direitos a dividendos, participações nos lucros ou uma participação no capital de uma empresa. São concebidos para funcionar como instrumentos financeiros digitais e estão sujeitos a regulamentação financeira e de valores mobiliários.
  2. Regulamentação: Os tokens de segurança devem cumprir as leis e regulamentos de valores mobiliários do país em que são oferecidos, incluindo requisitos de registo, divulgação e conformidade para proteger os investidores.
  3. Exemplos de utilização: Representação de acções de empresas, obrigações, acções de fundos de investimento ou bens imobiliários tokenizados. Permitem a divisão de activos onerosos e facilitam a liquidez e o acesso aos mercados mundiais.
  4. Tecnologia: Embora utilizem tecnologias semelhantes às dos tokens de utilidade, os contratos inteligentes de tokens de segurança incorporam frequentemente funcionalidades mais complexas para cumprir os regulamentos, tais como restrições de negociação, verificação da identidade do investidor (KYC) e conformidade com o combate ao branqueamento de capitais (AML).

Regulamentação e Aspectos Jurídicos na Emissão de Tokens de Segurança e Utilidade

Nesta secção, abordaremos a dimensão jurídica associada à emissão de criptoativos no âmbito de estruturas empresariais, centrando-nos na distinção entre os termos Security Token e Utility Token, no contexto de Initial Coin Offerings (ICOs) ou Security Token Offerings (STOs). É importante reconhecer a divisão entre estas duas classes de tokens: os Tokens de Segurança actuam como veículos de investimento, criando uma expetativa de retorno financeiro para os compradores. Considerados como instrumentos financeiros de acordo com o artigo 2 da Lei do Mercado de Valores Mobiliários consolidada, estão sujeitos à Diretiva 2014/65/UE – MIFID II, ao Regulamento (UE) 600/2014 – MIFIR, e às disposições do Real Decreto Legislativo 4/2015, de 23 de outubro, que aprova a Lei do Mercado de Valores Mobiliários consolidada. A sua emissão requer a obtenção das autorizações pertinentes e a supervisão da Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV), qualificando-se como uma OST.

Em contrapartida, os Tokens de Utilidade, ou Tokens de Serviço, são entendidos como tokens que permitem a troca por direitos ou serviços oferecidos pela empresa. São particularmente úteis para as empresas que procuram financiar o desenvolvimento de um projeto ou serviço, permitindo aos compradores aceder aos serviços do projeto no futuro. Para estas emissões, se o montante não for superior a 8 milhões de euros, não é necessária qualquer autorização prévia da CNMV ou a supervisão de uma Sociedade de Serviços de Investimento, devido à sua natureza de serviço. Estes casos devem considerar a legislação relacionada com o direito do consumidor, a contratação eletrónica, a proteção de dados, a prevenção do branqueamento de capitais, entre outros aspectos, incluindo a regulamentação da publicidade.

De acordo com a Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA), os tokens são “qualquer representação digital que possa ter valor, conceder o direito a receber benefícios ou, em alternativa, não ter qualquer utilização ou finalidade específica”. Da mesma forma, o Banco Central Europeu (BCE) define-os como “representações digitais de activos existentes, que facilitam o seu registo através de uma tecnologia diferente”. Ou seja, um ativo digital emitido que pode ter valor próprio ou representar qualquer ativo dentro de uma comunidade, incluindo activos financeiros.

O quadro regulamentar em Espanha é clarificado pelo comunicado conjunto da CNMV e do Banco de Espanha de 8 de fevereiro de 2018, que estabelece as diferenças entre Tokens de Utilidade e Tokens de Segurança. Esta comunicação é complementada por um documento da CNMV, emitido na mesma data, que actualiza e revê os principais critérios, intitulado “Considerações da CNMV sobre ‘criptomoedas’ e ‘ICOs’ destinadas aos profissionais do sector financeiro”.

De acordo com esta declaração, um Token de Utilidade concede direitos de acesso a um serviço ou recebe um produto, enquanto os Tokens de Segurança conferem geralmente uma participação nas receitas futuras ou um aumento do valor da entidade emissora. Considera-se adequado excluir da definição de um valor mobiliário negociável os tokens que não estabelecem uma correlação clara entre as expectativas de valorização ou rentabilidade e o desenvolvimento da atividade ou projeto subjacente. Os tokens que não sejam classificados como instrumentos financeiros de acordo com os critérios da CNMV serão considerados tokens de utilidade.

Ao avaliar se uma ICO envolve a oferta de valores mobiliários negociáveis, a CNMV considera relevante se os tokens concedem direitos ou expectativas de participação na valorização ou rentabilidade de empresas ou projectos, ou se apresentam direitos semelhantes aos das acções, obrigações ou outros instrumentos financeiros especificados no artigo 2. TRLMV. É igualmente relevante se as fichas que conferem direitos a serviços ou bens são oferecidas com referências explícitas ou implícitas à expetativa de benefícios decorrentes da sua reavaliação ou de qualquer remuneração associada ao instrumento, ou se mencionam a sua liquidez.

O investimento em cripto-activos não está regulamentado, pode não ser adequado para pequenos investidores e o montante total investido pode ser perdido. É importante leres e compreenderes os riscos deste investimento, que são explicados em pormenor.

Contáctanos
Contáctanos
Hola 👋 ¿En qué podemos ayudarte?