Skip links

Quais são as diferenças entre um token e uma criptomoeda?

$1.87

7.87%

A tecnologia Blockchain revolucionou a forma como o valor é transmitido no domínio digital. Há duas décadas, a ideia de efetuar pagamentos instantâneos ou transferências de fundos em qualquer parte do mundo com custos mínimos era impensável. No centro desta transformação estão as moedas criptográficas, com a Bitcoin (BTC) na vanguarda. No entanto, para além das aplicações financeiras directas, existe uma variedade de activos digitais conhecidos como “tokens”. Não são concebidos principalmente como meio de pagamento, mas servem para registar e transmitir valor no ecossistema da cadeia de blocos.

O contexto da tecnologia Blockchain

Antes de mergulhar nos meandros dos tokens, é essencial compreender o contexto mais alargado da cadeia de blocos. Na sua essência, a cadeia de blocos é um registo digital imutável e descentralizado que regista as transacções de forma segura e transparente. Funciona como um livro de registo digital distribuído, acessível a todos os participantes na rede. Cada bloco de informação está ligado ao anterior por meio de algoritmos criptográficos complexos, formando uma cadeia inalterável de blocos, daí o nome“blockchain“.

A blockchain já não é apenas a tecnologia por detrás das criptomoedas; tornou-se um meio para transformar indústrias inteiras. Da gestão da cadeia de abastecimento à votação eletrónica, a cadeia de blocos oferece um registo incorruptível e transparente que redefine a confiança no mundo digital.

Diferenças entre tokens e criptomoedas

O aparecimento de tokens

Neste contexto, surge a noção de“tokens“. Estes itens digitais representam activos ou utilidades específicas e funcionam em cadeias de blocos. O aparecimento de tokens alargou a funcionalidade da cadeia de blocos para além da simples transferência de valor sob a forma de criptomoedas. Estes tokens podem agora representar qualquer coisa, desde bens físicos (RWA: real asset tokenisation ) a direitos de acesso, e são emitidos através de contratos inteligentes, programas informáticos autónomos que executam automaticamente acordos quando determinadas condições são cumpridas.


O que é uma ficha?

Um token no contexto da blockchain é uma unidade de valor digital emitida por uma plataforma através de um processo conhecido como tokenização. Ao contrário das criptomoedas tradicionais, como a Bitcoin e a Ethereum, que funcionam como moedas digitais, os tokens representam activos ou utilidades específicas numa determinada rede blockchain. Estes podem representar qualquer coisa, desde activos físicos a direitos de acesso ou de participação numa plataforma específica.

Os tokens são criados através de contratos inteligentes, que são programas de computador que executam automaticamente acordos quando determinadas condições são cumpridas. Este processo de tokenização permitiu a criação de uma grande variedade de tokens, cada um com o seu próprio objetivo e função no ecossistema da cadeia de blocos.


Diferenças entre tokens e criptomoedas

Embora os termos“criptomoeda” e“token” sejam muitas vezes utilizados indistintamente, existem diferenças fundamentais que é importante compreender. As criptomoedas, como a Bitcoin e a Litecoin, são moedas digitais nativas de uma cadeia de blocos. A principal função das criptomoedas é servir como meio de troca, permitindo aos utilizadores comprar, vender e efetuar transacções. Além disso, actuam como reserva de valor, à semelhança do que acontece com o ouro e outras moedas fiduciárias. Funcionam numa rede descentralizada, proporcionando um elevado nível de segurança e resistência à censura ou interferência externa.

Ao contrário das criptomoedas, os tokens podem representar uma vasta gama de activos ou direitos para além do mero valor monetário. Isto vai desde representações digitais de bens físicos (como imóveis ou arte) a direitos de acesso a serviços ou funções numa plataforma específica. Os tokens são geralmente criados e operados em cadeias de blocos existentes, como a Ethereum, utilizando normas de tokenização como a ERC-20 para tokens fungíveis ou a ERC-721 para tokens não fungíveis(NFTs). Isto permite que os programadores emitam novos tipos de activos digitais sem a necessidade de criar uma nova cadeia de blocos a partir do zero.

Explicação das diferenças entre tokens e criptomoedas


Classificação dos símbolos

As fichas podem ser classificadas em diferentes categorias, de acordo com a sua função e características. Duas categorias principais são os tokens de utilidade e os tokens de segurança.

Tokens de utilidade (Tokens de utilidade)

Os tokens de utilidade são especificamente concebidos para serem utilizados numa plataforma de cadeia de blocos, proporcionando acesso a serviços ou funções oferecidos por essa plataforma. Estes tokens são uma parte fundamental de muitas aplicações descentralizadas(dApps) e ecossistemas blockchain, uma vez que facilitam as transacções internas e activam funcionalidades especiais. Por exemplo, um utility token pode permitir aos utilizadores comprar serviços de armazenamento em nuvem, jogar em plataformas de jogos de vídeo descentralizadas ou participar em sistemas de governação de projectos, onde podem votar em decisões importantes relativas ao desenvolvimento futuro do projeto. Ao contrário das moedas tradicionais ou das criptomoedas como a Bitcoin, que se concentram em ser um meio de pagamento, os utility tokens concentram-se na funcionalidade dentro do seu ecossistema nativo.

Por exemplo, UNI é o token nativo da Uniswap, uma bolsa descentralizada que opera na cadeia de blocos Ethereum. Oferece aos detentores de tokens direitos de governação, permitindo-lhes votar em decisões-chave sobre o desenvolvimento futuro do protocolo. A Uniswap é um ator-chave no ecossistema financeiro descentralizado (DeFi). LINK é o token da Chainlink utilizado para pagar serviços na rede, tais como pedidos de dados, e é também utilizado para incentivar os fornecedores de dados a fornecerem dados exactos e atempados.

Vantagens dos tokens de utilidade

Acesso a serviços: Os tokens de utilidade fornecem aos seus titulares acesso a serviços ou funções dentro de uma plataforma blockchain. Isto pode incluir a utilização de aplicações descentralizadas(dApps), serviços de armazenamento em nuvem ou a participação em eventos especiais.

Incentivar a participação da comunidade: Ao exigir tokens para determinadas acções na plataforma, incentiva-se a participação ativa da comunidade. Isto pode ajudar a criar um ecossistema mais sólido e empenhado em torno de um projeto.

Modelo de financiamento para startups: A venda de tokens de utilidade numa oferta inicial de moedas(ICO) ou através de outros mecanismos de financiamento proporciona às startups uma forma de angariar fundos sem diluir a propriedade através da emissão de acções.

Economia circular: Os tokens de utilidade podem ser concebidos para promover uma economia circular dentro da plataforma, em que o valor gerado beneficia tanto os utilizadores como os criadores de projectos.

Transparência e segurança: Como os utility tokens operam na blockchain, todas as transacções são transparentes e seguras. Isto minimiza o risco de fraude e aumenta a confiança no ecossistema.

Desvantagens dos tokens de utilidade

Volatilidadede valor: podem registar uma elevada volatilidade de valor. Isto pode afetar a estabilidade dos serviços ou recursos que podem ser adquiridos com eles e dissuadir os utilizadores e investidores.

Regulamentação ambígua: A falta de clareza regulamentar em muitos países relativamente aos tokens de utilidade e às ICO pode representar riscos legais para os projectos e respectivos investidores, incluindo possíveis sanções se forem considerados valores mobiliários sem as devidas autorizações.

Complicações de usabilidade: Para os utilizadores não familiarizados com a tecnologia blockchain e as criptomoedas, o processo de aquisição e utilização de utility tokens pode ser complicado e assustador.

Tokens de segurança

Os tokens de segurança diferem dos tokens de utilidade na medida em que representam um investimento em activos, empresas ou projectos reais e estão sujeitos às leis e regulamentos financeiros existentes. Ao comprar um token de segurança, o investidor adquire uma participação no ativo subjacente, que pode ir desde imóveis a acções nos lucros de uma empresa. Estes tokens prometem uma participação nas receitas futuras geradas pelo projeto ou ativo, funcionando de forma semelhante às acções tradicionais no mercado bolsista, mas operando na infraestrutura da cadeia de blocos para maior transparência, segurança e eficiência na transferência de propriedade. A regulamentação destes tokens é fundamental, uma vez que garante a proteção dos investidores e a integridade do mercado, alinhando-se com os regulamentos financeiros internacionais para evitar fraudes e garantir a transparência.

Vantagens dos tokens de segurança

Aumento da liquidez: Os tokens de segurança facilitam a tokenização de activos tradicionalmente ilíquidos, como imóveis ou arte, permitindo que sejam fraccionados e vendidos a um maior número de investidores. Isto pode aumentar significativamente a liquidez do mercado para esses activos.

Acesso global aos investidores: Ao operar com a tecnologia blockchain, os tokens de segurança podem ser comprados e vendidos por investidores de todo o mundo, expandindo o acesso ao capital para as empresas e oferecendo aos investidores uma gama mais ampla de oportunidades.

Automatização da conformidade regulamentar: Os contratos inteligentes permitem que os tokens de segurança sejam programados para cumprir os regulamentos financeiros e as restrições comerciais, simplificando e automatizando a adesão às leis aplicáveis.

Desvantagens das fichas de segurança

Regulamentação e aceitação legal: Apesar dos progressos, continua a haver incerteza legal e regulamentar em torno dos tokens de segurança em várias jurisdições. Este facto pode limitar a sua adoção e colocar desafios à sua aplicação em grande escala.

Complexidade tecnológica: A emissão e a gestão de tokens de segurança requerem conhecimentos de tecnologia blockchain e de contratos inteligentes, o que pode constituir um obstáculo para as empresas e os investidores menos sofisticados do ponto de vista tecnológico.

Para além destas duas categorias principais, o universo dos tokens da cadeia de blocos continua a expandir-se e a inovar. Também existem fichas não fungíveis (NFTs)que representam a propriedade ou a prova de autenticidade de um ativo digital ou físico único; tokens de governaçãoque dão aos titulares o direito de participar na tomada de decisões numa plataforma; e fichas de recompensaque incentivam os utilizadores a realizar determinadas acções num ecossistema. Esta classificação em evolução reflecte a natureza dinâmica do sector da cadeia de blocos e sublinha a crescente complexidade e sofisticação dos activos digitais.

O investimento em cripto-activos não está regulamentado, pode não ser adequado para pequenos investidores e o montante total investido pode ser perdido. É importante leres e compreenderes os riscos deste investimento, que são explicados em pormenor.

Contáctanos
Contáctanos
Hola 👋 ¿En qué podemos ayudarte?